HOME
        EMPRESA
        PRODUTOS
        SOLUÇÕES
        SUPORTE
        NOTÍCIAS
        ARQUIVO
        LOJA ONLINE
        CONTACTOS
        DOWNLOADS
 

Solução pioneira desenvolvida por empresa nacional.
Hospital Gaia/Espinho testa com êxito "armário inteligente" de farmácia.


Idealizado e concebido pela Datelka, o projecto do Armário Inteligente RFID contou com o envolvimento de várias empresas nacionais que, durante um período de 12 meses, desenvolveram protótipos e afinaram conceitos que culminaram com a fase de produção. De Sintra à Marinha Grande, da estrutura dos armários ao revestimento interior - passando pela electrónica de controlo e comando – o Armário Inteligente RFID é um exemplo vivo do que a cooperação entre empresas nacionais pode conseguir. O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho apadrinhou o projecto e equipou a farmácia de ambulatório com sete armários para controlo de medicamentos, o que representa mais de 50% dos custos com produtos farmacêuticos. O Hospital de São Bernardo em Setúbal tem em curso um projecto piloto para Controlo de Reagentes no laboratório do Serviço de Urgências.

Veja a Nota de Imprensa da Datelka para os Armários inteligentes RFID

Página Oficial "Armários inteligentes RFID"

Facebook Datelka

Youtube

Twitter

 

Centro Hospitalar implementa sistema pioneiro para apurar segurança na farmácia

É o primeiro hospital público, em todo o país, a implementar esta nova tecnologia: um investimento co-financiado em 75% pela Administração Central do Sistema de Saúde – ACSS. De forma a apurar os níveis de segurança da Farmácia Hospitalar, o Centro Hospitalar Gaia/Espinho implementou um novo sistema de distribuição e armazenamento de medicamentos, que utiliza a tecnologia RFID – Identificação por Rádio Frequência, de forma a garantir um alto nível de segurança, quer para o utente, quer para o profissional.

Ainda mais segura para o utente e para o profissional, esta nova tecnologia está a ser utilizada, numa primeira fase, no controlo da medicação de ambulatório que representa, no universo hospitalar, mais de 50% do total dos custos com produtos farmacêuticos. Entre a medicação de ambulatório, encontram-se, por exemplo, os produtos biológicos e os destinados ao tratamento de doenças infecciosas, ambos de custo muito elevado. O novo sistema traduz-se em blocos de armários, com uma estrutura adaptada a um ambiente controlado por radiofrequência, incluindo filtragem para o exterior e optimização do ambiente interno de leitura.
Os dois aspectos mais importantes a ter em conta no armazenamento e distribuição de medicamentos são a segurança e rastreabilidade. Com o novo Armário Inteligente RFID, passa a ser possível obter informação de todos os produtos existentes numa área controlada, inscrever a data de validade e controlar as quantidades movimentadas.

Veja a Nota de Imprensa do CHVNGE


 


Medicamentos: Farmácia do CHVNGE dispõe de sistema que garante "alto nível de segurança"

 

Porto, 29 ago (Lusa) - O Centro Hospitalar Gaia/Espinho (CHGE) implementou um novo sistema de distribuição e armazenamento de medicamentos que garante um "alto nível de segurança" quer para o utente quer para o profissional, disse hoje à Lusa uma das responsáveis pelo processo.

O novo sistema utiliza a tecnologia RFID -- Identificação por Rádio Frequência e está a ser utilizado, numa primeira fase, no controlo da medicação de ambulatório que representa, no universo hospitalar, "mais de 50 por cento do total dos custos com produtos farmacêuticos".

A farmacêutica Aida Batista disse que o CHGE é o primeiro hospital público, em todo o país, a implementar esta nova tecnologia que representa uma "mais valia" em termos de "fiabilidade e rastreabilidade na cedência, segurança do utente e farmacêutico e informação exata do stock disponível (com informação de lotes e validades)".


 


Rádio Frequência controla medicamentos.

 

Farmácia: Centro Hospitalar Gaia/Espinho (CHGE) é pioneiro na aplicação de um novo sistema de controlo da medicação de ambulatório.

O Centro Hospitalar Gaia/Espinho (CHGE) implementou um novo sistema de distribuição e armazenamento de medicamentos. O novo sistema utiliza a tecnologia RFID - Identificação por Rádio Frequência e está a ser utilizado, numa primeira fase, no controlo da medicação de ambulatório que representa, no universo hospitalar, "mais de 50 por cento do total dos custos com produtos farmacêuticos".

(...) Com o novo "Armário inteligente RFID passa a ser possível obter informação de todos os produtos existentes numa área controlada, inscrever a data de validade e controlar as quantidades movimentadas" Para controlar o processo de gestão dos armários de medicamentos, este novo sistema começa por controlar o acesso aos produtos.

"Todos os utilizadores autorizados dispões de um cartão e/ou pulseira de acesso aos armários, limitando assim o acesso à medicação exclusivamente a utilizadores autorizados. Todos os acessos ficam registados na base de dados."

(...)Uma vez identificado o utilizador e confirmada a sua permissão para aceder a um armário específico, num determinado horário, o sistema faz uma leitura do conteúdo antes de abrir a porta. Após a retirada do medicamento, é imediatamente efectuada uma leitura do conteúdo restante no armário, obtendo-se a diferença entre a primeira e a segunda leitura para um controlo total.

"Este sistema permite-nos, em paralelo, ter informação on-line do stock disponível" frisou.


DN


 


Medicamentos Controlados em Gaia

 

(...) Foi a primeira unidade hospitalar a introduzir a tecnologia a nível nacional e, depois de nove meses de experiência-piloto, estima ter resultados positivos. "Antes detectávamos muitos desvios, que demoravam tempo a identificar e, na maioria das vezes, eram simples erros de digitação"explicou ao JN a farmecêutica Aida Baptista, uma das responsáveis pelo projecto.

Orçado em cem mil euros, 75% dos quais financiados pela Administração Central do Sistema de Saúde, o sistema evita erros. As caixas de medicamentos são marcadas com etiquetas lidas pelo sistema, permitindo, antes de mais, uma mais eficiente gestão de stocks. "Sabendo quantos doentes temos, não são necessários stocks tão grandes", o que melhora a gestão da despesa. Além de poupar muito trabalho.

A receita do médico, se for electrónica, entra directamente no sistema. O armário regista. Se o farmacêutico se enganar no fármaco que tira da gaveta, o sistema envia um alerta para o computador indicando o erro - que pode ser de nome ou de quantidade. Um último controlo confirma que tudo corresponde: o médico, o doente, o fármaco, a quantidade.

Os remédios dispensados em ambulatório (que incluem produtos biológicos e fármacos para infecciosas, como VIH) representam 50% da factura hospitalar com medicamentos. Além de oferecer melhor rastreabilidade (o medicamento é seguido desde que entra até que sair do hospital), o sistema oferece maior segurança para o doente, por eliminar erros, explica Aida Baptista.


Ivete Carneiro - JN


 
© 2009 Datelka, Engenharia e Sistemas // Developed by Brandspot
 
PESQUISA:
EFECTUAR LOGIN
EMAIL:
PASSWORD: